Saturday, March 14, 2009

Era uma vez um cabelo (...)
E por detrás dele um rosto sincero
Era uma vez uma visão tão real
E na sua face um sorriso amigo

Conversa desprovida de interesse
O sim porque sim, o não por que não
O que é que achas disto? E daquilo?
Tão bom não é... não ter sempre razão

Dotado de intuição é seu ser
Que intui, quase sempre certo sem saber
De forma algo inconsciente e sem saber explicar
Vagueia na vida... Quem sabe se só.

Escolheu não querer ver
Vendo por um buraco
Escolheu não saber
Escolheu ser quem é

Porque neste mundo ainda há surpresas boas
Porque neste mundo ainda faz sentido a palavra amizade
Obrigado

2 comments:

AR said...

Espontaneidade rima com amizade.

:)

Boa noite, amigo*

Faz sol said...

Eu é que agradeço *

How Many