Sunday, February 01, 2009

Ouço o som das mãos a criar movimento
A chorar não por fora, mas por dentro
Do teu olhar de luz, criar o frio
Cheira a vela que se consome fio a pavio
Pavio aceso preso em teus gélidos brancos dedos
Que levam minha fala a contar-te segredos
Pronto, é óbvio. Merda para ti.
Tinha de ser com segredos.
Insensatos pecados que aguardam, mortais em caves guardados
Apodrecem envenenados, fermentando ao frio num crepúsculo vazio
Um rio de insanidade leviana, um duo de alma profana
Uma corja grosseira sem eira nem beira
Um bando de escarafunchas, escarafunchosos, difusos mal cheirosos.
Resto eu, abrigado do frio, sob o pano fino vazio de fazenda creme
Possa eu ter como ultimo repasto, algo de tão pequeno vasto como um verme
Verde por fora e podre em seu cerne, por ele feito e por ele eterne
Descanse agora em paz pois não,
O Rei foragido e o seu ducado, que quando por ele tocado
Morre em cinzas tal não é o condão do seu pobre jeito
Que por um malfeito, mata em terreno alheio
Dando então como seu condado seu misero ducado imperfeito
Não restando nada mais para ver no seu podre suplantado leito.
Já mais então refeito.

André e Rui

2 comments:

AR said...

Epa parecia mesmo uma letra do Jorge
:x

No comments, tava a confundir com alguma música do albúm Norte :P

E já sakei a cena do Imeem, thanks!
:)

Kiss***

Mariana said...

voces <3

How Many